E se pudéssemos mudar o passado?

Um papo sobre a Série Dark, da Netflix


Essa foi uma pergunta que me fiz durante muitos anos e, trabalhando com Desenvolvimento Humano percebo que várias pessoas também se fazem. Mas… é possível voltar no tempo e mudar o passado? Quais seriam as consequências se isso fosse feito? Como eu afetaria meu presente e meu futuro se alterasse a linha do tempo?


Essas questões são abordadas em obras de ficção como os saudosos “De volta para o futuro” e “O Exterminador do Futuro”; “Interstelar”; “Timeless” e o atual seriado “Dark” exibido na Netflix. Ao assistir a segunda temporada desse seriado e, tive alguns insights a respeito do tema “viagem no tempo”.


Sem dar spoilers para quem ainda não assistiu, Dark se passa numa cidade do interior da Alemanha e mostra como a história de quatro famílias se cruza no passado, presente e futuro. Numa caverna local existe o que eles chamam de “fenda temporal” que permite viajar no tempo 33 anos no passado ou no futuro. Quando a primeira pessoa faz isso (na primeira temporada), desencadeia uma série de tragédias que faz a trama do seriado. A série é cheia de suspense e revelações que vão prendendo a atenção e, pra mente mais treinada, trazendo lições o tempo todo.


Lição 1 – Julgamentos


Tanto na série quanto na vida real, quando alguém está “preso no passado”, os sentimentos de culpa e/ou arrependimento estão sempre ali. Seja por algo que essa pessoa fez a alguém ou então, apego a alguém que sofreu alguma fatalidade. Em Dark, o personagem Ulrich, pai de Mikkel, que desaparecera misteriosamente, cria diversos conflitos ao procurar desesperadamente o filho.


Ao olhar as cenas de fora, é muito fácil julgar esse homem ao ver as sérias consequências que suas atitudes trouxeram, mas… Se fosse eu no lugar dele, como agiria? Como nunca tive ninguém da minha família desaparecido, então, não conheço esse o sentimento e, claro, não dá para saber quais seriam as minhas atitudes. Muito provavelmente, teria feito a mesma coisa. Logo, a primeira lição que tiro é “não dá para julgar as atitudes de ninguém, sem ter passado pelas mesmas coisas que aquela pessoa passou”. Pessoas diferentes, fazem coisas diferentes. Cada um tem a sua própria, personalidade, mentalidade e experiências. Portanto, é impossível exigir as mesmas reações de todas as pessoas.


Lição 2 – Culpa , remorso e aceitação


Como falei acima, quem está preso no passado, vive cheio de culpa e/ou remorso. Disso eu entendo bem… Assim como nos filmes, eu também gastei muita energia para entender o porquê das coisas, ou para achar culpados ou ainda para me sentir um lixo por causa das minhas atitudes. E você, sente culpa ou remorso por algo que fez? Ou será que culpa outra pessoa pelos sofrimentos que experimentou na vida?


O aprendizado que tive na vida e ficou claro em Dark é que enquanto estiverem presos a ao passado pela culpa ou remorso, as pessoas destroem sua vida e a dos outros, simplesmente pela dificuldade de enxergar que o passado não pode ser mudado. A única alternativa que temos é aceitá-lo do jeito que foi e aprender com ele. Mesmo se fosse possível voltar no tempo e “corrigir” o passado, fatalmente algo “ruim” iria acontecer. Isso faz parte da vida e, são nesses momentos difíceis em que enfrentamos nossos maiores medos e aprendemos as maiores lições.


Quando vejo alguém se debatendo por mágoas e rancor, me lembro de como minha vida havia sido. E foi aprender a aceitar as coisas como são que mudou tudo. A aceitação é uma atitude extremamente poderosa que libertou a minha vida da escuridão profunda. Todas as pessoas que tenho ajudado a passar por esse caminho também tem experimentado uma vida mais leve, realizadora e cheia de coisas boas.


Lição 3 – Aprendendo a lidar com o tempo


O grande segredo da série e da vida é: o tempo, assim como tudo mais, é apenas uma concepção social baseada numa percepção da nossa mente. Cada pessoa terá uma visão diferente, pois percebe as coisas de forma diferente. A nossa consciência, lógica e racional, precisa organizar as coisas ao longo do tempo para trazer sentido para elas. Nosso subconsciente, porém, ignora o tempo, pois a sua linguagem é emocional e, por isso, passado, presente ou futuro são apenas conceitos.


De modo prático, onde eu escolher focar a minha atenção, é lá que passarei maior parte

do meu “tempo”. Ou seja, se você tiver uma questão mal resolvida no seu passado e ficar remoendo isso, a grande chance é de que nem perceba que os anos estão passando e que a vida está ficando para trás. É nesse momento que a depressão surge. Há pessoas, porém, que tentam desesperadoramente fugir do seu passado, gastando uma energia imensa em fazer as coisas totalmente diferente, o que gera a ansiedade. Em nenhum dos casos temos a felicidade.


No seriado Dark, é bem isso que acontece. Todos os personagens ou estão focados no passado, nas suas mágoas, dores e, principalmente, nas dores que outras pessoas lhes causaram. Ou então em como fazer as coisas diferentes. Eu posso afirmar seguramente que isso não é uma forma saudável de se viver e é responsável por boa parte do sofrimento que vemos no mundo hoje.


Por outro lado, na vida real, quando decido focar no momento presente e perceber a grandiosidade da vida ao meu redor, vejo as infinitas possibilidades que tenho pela frente. A vida se enche de novas cores e é como se fosse um mundo totalmente novo. Pura e simplesmente porque eu decidi mudar meu olhar para as coisas.


Logo, a lição sobre o tempo é: Ele é relativo e depende das minhas escolhas. Não há como voltar ao passado e refazê-lo para que as coisas sejam diferentes hoje, mas posso fazer agora escolhas que me gerem um futuro diferente.


Com base nisso, gostaria de terminar com algumas perguntas e possibilidades de mudar as coisas:


1) O que existe no seu passado que pode estar sugando a sua energia para construir o presente e o futuro que você deseja?

2) Como será quando você puder, de fato, “fazer as pazes” com seu passado e poder, finalmente, seguir em frente e viver uma nova vida?

3) Sinceramente, de todas as pessoas que possivelmente te magoaram e te feriram, o quanto dessas feridas foram feitas por você mesmo, simplesmente por ficar segurando esses sentimentos tão apertados contra você?


Eu encontrei na hipnoterapia uma forma extremamente eficaz de resolver esse tipo de questão. Através da Hipnose, conseguimos acessar as memórias dolorosas que trazem tanto sofrimento e dar a elas um novo significado. Em outras palavras, é uma forma muito simples e rápida de conseguir o que os personagens do Seriado lutam por décadas para conseguir: “fechar” as histórias pendentes, resolver os conflitos que ficaram para trás e permitir um novo começo.


A grande questão é: independente do que tenha acontecido, você é o autor da sua história e o protagonista dela. São as suas escolhas em forma de pensamentos, sentimentos e ações que determinam o rumo dela. Você pode gerar um grande drama de sofrimento e culpa, ou você pode se livrar disso tudo hoje e criar uma grande aventura. Qual será a sua escolha?